quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Armação politica e investigações do Lava-Jato ameaçam governabilidade.

COMO AVANÇAR O IMPEACHMENT?
Cassar uma  presidente que faz o necessário para o país. Procura-se motivos.


Por motivos estritamente pessoais, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB\RJ), anda discutindo e reunindo  com a oposição e com parte dos aliados da presidente, firmas de avançar o pedido de impeachment contra Dilma.

Querem e buscam formas de dar um caráter coletivo, evitando riscos políticos pessoais, para ele. Figura egocentrista, melífluo e bandido que historicamente sempre se aproveitou de forma legal e ilegal das benesses dos cargos em que lhe foram confiado. Tem culpa em cartório.

Como presidente da Câmara, é ele quem define se os pedidos de impeachment tem fundamento e podem prosseguir ou serem arquivados. Agora, rompido com Dilma, ele pretende atacar dando prosseguimento a todos eles. E já são uma dúzia.

Num jantar na noite de segunda (3/8), ele discutiu possibilidades com seus aliados. A opção seria ele rejeitar mas algum deputado recorreria de sua decisão ao plenário, expondo publicamente quem votasse contra o impeachment da presidenta. Pelo Regimento Interno da Câmara a decisão seria tomada pela maioria simples.

Os objetivos dos bastidores são: minimizar riscos políticos do líder e constranger aliados de Dilma. Ela seria afastada  com os votos de dois terços – 342 de 513 possíveis.

Periódicos da imprensa brasileira confirmou o jantar e seu tema, desmentido por cunha e auxiliares. Estavam presentes o DEM, PMDB, PR  e PSD. FECHARAM ALGO preocupante para o partido de Dilma – o PT. Eles não estariam liderando nenhuma das CPIs, em andamento ou em instalação futura.

Eduardo Cunha se declarou oposição ao argumentar que há uma dobradinha entre MPF e Governo. Para incriminá-lo na Operação Lava jato. Ora, seguramente ele esta enrolado sim, haja visto sua criminosa atuação em todos os órgãos dos quais participou. Veja o que diz Ciro Gomes:


Mas a noticia ruim, pode parecer maluquice para a sociedade. As contas de Itamar Franco, Fernando Henrique Cardozo e Lula ainda não foram aprovadas. Alguém acredita nisso? Decidiram votá-las em urgência, para chegar nas contas da Dilma e criar mais problemas para ela, haja visto sua “armação contábil” ou “manobras fiscais”, que todos eles fizeram e agora em análise pelo Tribunal de Contas da União.

É. Vem muita tempestade no horizonte de Dilma e do PT.

E AINDA TEM A PAUTA BOMBA
Começa a ser votada nesta semana a pauta bomba contra o Brasil. Porque não é apenas uma briga de poder, é uma visão sobre o desenvolvimento do Brasil que esta em jogo na Câmara Federal. E Eduardo Cunha é o pivô maldito dessa rebelião

Primeiro, com a recessão e a baixa arrecadação, o governo não cumpre sua meta fiscal, apesar da mesma ter sido reduzida. Mas esta economia pode virar pó se o congresso elevar os custos ou reduzir receitas.

O governo teme três propostas,

PEC 443,  equiparam salários da Advocacia Geral da União, de delegados e do Judiciário. Seria um adicional de 2 bilhões e  o governo esta sem resposta.

A crise pode se aprofundar se os deputados modificarem a renumeração do FGTS, de 3 para 6,17 ao ano mais TR. Aumenta os custos da construção civil.


E por ultimo a elevação da tributação em setores que haviam sido desonerados pela presidenta.  O Senado não vai votar a desoneração.