terça-feira, 3 de novembro de 2015

A China e a preocupação com seu movimento.



De olho na China, petróleos
fecham em queda 
Futuro do Brent caiu 1,48%, cotado a US$ 48,83; WTI para dezembro recuou 0,97%, a US$ 46,14








Os preços do petróleo voltaram a cair nesta segunda-feira (2), pressionados por novos dados desanimadores vindos da China. A Rússia também divulgou que sua produção aumentou em outubro, contribuindo para um cenário de excesso na oferta global.

No fechamento, o Brent para dezembro caía 1,48% na ICE, cotado a US$ 48,83. O barril futuro de WTI, por sua vez, recuava 0,97% na Bosa Mercantil de Nova York (Nymex), a US$ 46,14. Nas mínimas do dia, as cotações chegaram a US$ 48,62 e US$ 45,58, respectivamente. 

Na China, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial chegou a 48,3 em outubro. Mesmo que tenha subido na comparação com o mês anterior (quando chegou a 47,2), o indicador, divulgado pelo banco Caixin neste domingo (1), continua abaixo dos 50 pontos. Isso significa que há contração na atividade. 

Já na Rússia, a produção de petróleo chegou a 10,8 milhões de barris por dia em outubro. Trata-se de um recorde para o país desde o fim da União Soviética. O resultado contribui para o cenário de excesso de oferta mundial, pressionando a cotação do barril.

Tags: barril, BRENT, cHINA, cotação, demanda, Petróleo, Produção, russia, WTI