quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A China assume responsabilidades



Chanceler chinês pede que membros do BRICS preservem a paz mundial e promovem o crescimento global
2016-09-21 19:25:46portuguese.xinhuanet.com 

 O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, preside uma reunião dos chanceleres das nações do BRICS no marco de uma série de conferências da ONU, em Nova York dos EUA, em 21 de setembro. (Xinhua/Yin Bogu)


Nova York, 21 set (Xinhua) -- O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, pediu na terça-feira que as nações do BRICS preservem a paz mundial e ajudem a promover o crescimento global.

Wang fez as declarações ao presidir uma reunião dos chanceleres das nações do BRICS no marco de uma série de conferências da ONU.

Na reunião, Wang disse que os esforços dos países do BRICS nos últimos anos tornaram uma solução política da crise síria uma possibilidade real.

"Nós precisamos continuar a ser um defensor para o uso dos meios pacíficos, incluindo diálogo e negociação, para resolver questões importatnes do mundo", disse Wang.

Com o apoio das nações do BRICS, a Cúpula do Grupo dos Vinte (G20) na cidade chinesa de Hangzhou obteve sucesso e ofereceu uma direção ampla para o desenvolvimento futuro da economia mundial, segundo Wang.

Ele disse que as nações do BRICS devem tomar a liderança na implementação dos acordos atingidos na cúpula ao permanecer um motor do crescimento econômico global.

Wang indicou que a Cúpula do G20 em Hangzhou endossou um plano de ação 2030 para o desenvolvimento sustentável e propôs uma iniciativa para apoiar a industrialização na África e nos países menos desenvolvidos do mundo. O bloco do BRICS deve pedir o mundo desenvolvido a apresentar suas promessas para os países em desenvolvimento, acrescentou.

O chanceler chinês disse que o atual sistema da governança global deve refletir melhor a transformação da situação política e econômica do mundo. Ele pediu que o grupo garanta a maior representatividade e apresente uma maior voz dos países emergentes e em desenvolvimento.

O ministro de Estado para Assuntos Externos da Índia, M.J. Akbar, disse que o BRICS deve tomar uma posição combinada contra os ataques terroristas e lidar conjuntamente com o terrorismo.

Ele também pediu uma aprovação imediata do Acordo de Paris sobre a mudança climática e um compromisso para as metas de redução de emissões.

A cooperação dentro do bloco deve ser aprofundada, incluindo o estabelecimento de uma agência de classificação de créditos do BRICS e uma rede agrícola, entre outros, acrescentou.

A chanceler sul-africana Maite Nkoana-Mashabane recomendou o BRICS para atingir avanços históricos e implementar a agenda de desenvolvimento sustentável.

Ela também pediu mudanças do atual sistema de governança global.

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, propôs que o BRICS aja para o estabelecimento de uma ordem internacional cada vez mais justa, com melhor coordenação em importantes assuntos políticos e econômicos.

Expressando a esperança de que os membros do BRICS trabalhem conjuntamente para enfrentar os desafios globais, Lavrov também citou os intercâmbios entre pessoas, agricultura, transporte ferroviário e turismo como os setores para maior desenvolvimento neste ano dentro do bloco.

O chanceler brasileiro José Serra espera ver resultados positivos da cúpula dos líderes do BRICS que será realizada em meados de outubro em Goa, na Índia, e na promoção de parcerias econômicas entre os membros.

Serra disse que os membros do BRICS precisam aumentar a cooperação nas áreas como inovação, economia digital, redução da pobreza e saúde pública.

Serra também manifestou a esperança de que a Cúpula do BRICS 2017 na China continue a promover os intercâmbios e o diálogo.

Durante a reunião, os chanceleres também trocaram opiniões sobre questões internacionais e regionais, incluindo a última Cúpula do G20 em Hangzhou, a cooperação antiterrorismo, a Agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável, mudança climática, situação no Oriente Médio e missões de manutenção da paz na África.