quarta-feira, 11 de julho de 2018

Ocupando espaços


China e Estados Árabes forjarão parceria estratégica

2018-07-11 13:30:04portuguese.xinhuanet.com

Beijing, 11 jul (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, discursou nesta terça-feira na cerimônia de abertura da 8ª reunião ministerial do Fórum de Cooperação China-Estados Árabes no Grande Palácio do Povo, em Beijing.




Xi anunciou que a China e os países árabes concordaram em estabelecer uma "parceria estratégica sino-árabe orientada para o futuro de cooperação abrangente e desenvolvimento comum".

Chamando os Estados árabes de parceiros naturais da China em cooperação do Cinturão e Rota, Xi apontou que a cooperação energizou toda dimensão das relações sino-árabes e propulsou a cooperação integral entre as partes para uma nova fase.

A China está pronta para trabalhar com o lado árabe para coordenar as estratégias e ações de desenvolvimento, destacou Xi.

"Devemos nos empenhar para defender a paz e a estabilidade no Oriente Médio, proteger a imparcialidade e a justiça, promover o desenvolvimento comum e aprender um com o outro como fazem os amigos", disse Xi.

O presidente salientou que a China e os Estados árabes precisam fortalecer a confiança estratégica, se comprometer em realizar diálogo e consulta, insistir no princípio de soberania, defender a reconciliação inclusiva e combater o terrorismo.

Em termos de ajudar um ao outro para alcançar sonhos de rejuvenescimento, a China e os Estados árabes devem ficar concentrados na conectividade. A cooperação energética precisa ser dirigida por tanto petróleo e gás como energia de baixo carbono e a cooperação financeira deve estar de acordo com a colaboração em nova e alta tecnologia, enfatizou Xi.

Ele anunciou que a China criará um consórcio bancário China-Estados árabes.

Xi Jinping também propôs que os dois lados alcancem resultados de ganhos recíprocos, observando que a China está comprometida a aprofundar reformas em todos os aspectos, a continuar com sua política fundamental de abertura e a buscar o desenvolvimento com sua porta escancarada.

"Esperamos a participação dos países árabes na primeira Exposição Internacional de Importação da China em Shanghai em novembro", disse.

Com a necessidade de promover a abrangência e a aprendizagem mútua, Xi anunciou uma série de políticas para promover o entendimento mútuo entre os chineses e os árabes e o lançamento oficial de um centro de imprensa sino-árabe.

Como importantes participantes na arena política internacional, a China e os Estados árabes devem fazer esforços conjuntos para encontrar um novo caminho em direção ao rejuvenescimento total do Oriente Médio, assinalou.

Xi enfatizou a importância de respeitar as circunstâncias nacionais diferentes dos países e suas escolhas independentes, de defender os princípios de tratar um ao outro com igualdade e buscar terreno comum ao mesmo tempo em que colocam de lado as diferenças.

"Devemos buscar juntos a segurança comum, abrangente, cooperativa e sustentável", destacou Xi.

Ele também expressou a esperança de que todas as partes pertinentes possam observar o consenso internacional e lidar com os assuntos relacionados com a Palestina de um modo imparcial.

"É imperativo se fundamentar na solução de dois estados e na Iniciativa de Paz Árabe, e tirar as conversações de paz Palestina-Israel do impasse o mais breve possível", apontou Xi.

O presidente chinês também pediu aos dois lados que trabalhem incansavelmente em direção às metas de rejuvenescer duas grandes nações e construir uma comunidade sino-árabe com interesses convergentes e um futuro compartilhado.

Depois do discurso de Xi, o emir do Kuwait, Sheikh Sabah Al-Ahmad Al-Jaber Al-Sabah, o ministro das Relações Exteriores saudita, Adel bin Ahmed Al-Jubeir, e o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul-Gheit, pronunciaram discursos.

Ao elogiar a amizade tradicional e o potencial de cooperação, eles disseram que os Estados árabes participarão coletivamente do Cinturão e Rota e expressaram concordância com o conceito de Xi de "construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a China e os Estados árabes, assim como para a humanidade".

Chamando a China de um parceiro fidedigno, eles elogiaram a adesão do país aos propósitos e princípios da Carta da ONU, e seu importante papel nos assuntos internacionais.

Como o Oriente Médio enfrenta desafios severos em relação à paz e estabilidade, o lado árabe espera fortalecer a comunicação e a coordenação com a China para promover juntos a paz e a estabilidade, assim como o desenvolvimento e a prosperidade na região.

A oitava reunião ministerial do Fórum de Cooperação China-Estados Árabes juntou quase 300 participantes da China e dos Estados-membros da Liga Árabe.