quarta-feira, 11 de julho de 2018

Ocupando espaços


China e Estados Árabes forjarão parceria estratégica

2018-07-11 13:30:04portuguese.xinhuanet.com

Beijing, 11 jul (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, discursou nesta terça-feira na cerimônia de abertura da 8ª reunião ministerial do Fórum de Cooperação China-Estados Árabes no Grande Palácio do Povo, em Beijing.




Xi anunciou que a China e os países árabes concordaram em estabelecer uma "parceria estratégica sino-árabe orientada para o futuro de cooperação abrangente e desenvolvimento comum".

Chamando os Estados árabes de parceiros naturais da China em cooperação do Cinturão e Rota, Xi apontou que a cooperação energizou toda dimensão das relações sino-árabes e propulsou a cooperação integral entre as partes para uma nova fase.

A China está pronta para trabalhar com o lado árabe para coordenar as estratégias e ações de desenvolvimento, destacou Xi.

"Devemos nos empenhar para defender a paz e a estabilidade no Oriente Médio, proteger a imparcialidade e a justiça, promover o desenvolvimento comum e aprender um com o outro como fazem os amigos", disse Xi.

O presidente salientou que a China e os Estados árabes precisam fortalecer a confiança estratégica, se comprometer em realizar diálogo e consulta, insistir no princípio de soberania, defender a reconciliação inclusiva e combater o terrorismo.

Em termos de ajudar um ao outro para alcançar sonhos de rejuvenescimento, a China e os Estados árabes devem ficar concentrados na conectividade. A cooperação energética precisa ser dirigida por tanto petróleo e gás como energia de baixo carbono e a cooperação financeira deve estar de acordo com a colaboração em nova e alta tecnologia, enfatizou Xi.

Ele anunciou que a China criará um consórcio bancário China-Estados árabes.

Xi Jinping também propôs que os dois lados alcancem resultados de ganhos recíprocos, observando que a China está comprometida a aprofundar reformas em todos os aspectos, a continuar com sua política fundamental de abertura e a buscar o desenvolvimento com sua porta escancarada.

"Esperamos a participação dos países árabes na primeira Exposição Internacional de Importação da China em Shanghai em novembro", disse.

Com a necessidade de promover a abrangência e a aprendizagem mútua, Xi anunciou uma série de políticas para promover o entendimento mútuo entre os chineses e os árabes e o lançamento oficial de um centro de imprensa sino-árabe.

Como importantes participantes na arena política internacional, a China e os Estados árabes devem fazer esforços conjuntos para encontrar um novo caminho em direção ao rejuvenescimento total do Oriente Médio, assinalou.

Xi enfatizou a importância de respeitar as circunstâncias nacionais diferentes dos países e suas escolhas independentes, de defender os princípios de tratar um ao outro com igualdade e buscar terreno comum ao mesmo tempo em que colocam de lado as diferenças.

"Devemos buscar juntos a segurança comum, abrangente, cooperativa e sustentável", destacou Xi.

Ele também expressou a esperança de que todas as partes pertinentes possam observar o consenso internacional e lidar com os assuntos relacionados com a Palestina de um modo imparcial.

"É imperativo se fundamentar na solução de dois estados e na Iniciativa de Paz Árabe, e tirar as conversações de paz Palestina-Israel do impasse o mais breve possível", apontou Xi.

O presidente chinês também pediu aos dois lados que trabalhem incansavelmente em direção às metas de rejuvenescer duas grandes nações e construir uma comunidade sino-árabe com interesses convergentes e um futuro compartilhado.

Depois do discurso de Xi, o emir do Kuwait, Sheikh Sabah Al-Ahmad Al-Jaber Al-Sabah, o ministro das Relações Exteriores saudita, Adel bin Ahmed Al-Jubeir, e o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul-Gheit, pronunciaram discursos.

Ao elogiar a amizade tradicional e o potencial de cooperação, eles disseram que os Estados árabes participarão coletivamente do Cinturão e Rota e expressaram concordância com o conceito de Xi de "construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a China e os Estados árabes, assim como para a humanidade".

Chamando a China de um parceiro fidedigno, eles elogiaram a adesão do país aos propósitos e princípios da Carta da ONU, e seu importante papel nos assuntos internacionais.

Como o Oriente Médio enfrenta desafios severos em relação à paz e estabilidade, o lado árabe espera fortalecer a comunicação e a coordenação com a China para promover juntos a paz e a estabilidade, assim como o desenvolvimento e a prosperidade na região.

A oitava reunião ministerial do Fórum de Cooperação China-Estados Árabes juntou quase 300 participantes da China e dos Estados-membros da Liga Árabe.


sexta-feira, 29 de junho de 2018

Uma China global


Xi reúne-se com secretário de Defesa dos Estados Unidos

2018-06-28 11:00:12portuguese.xinhuanet.com





(Xinhua/Li Gang)

Beijing, 28 jun (Xinhua) -- O presidente da China, Xi Jinping, reuniu-se na quarta-feira em Beijing com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis.

Xi declarou que o mundo está passando por um período de grandes desenvolvimento, transformações e reajustes. As tendências da multipolarização mundial e da globalização econômica estão se desenvolvendo profundamente, e os países têm se tornando cada vez mais interdependentes.

O povo chinês está construindo um grande país socialista moderno, mas a China manterá o caminho do desenvolvimento pacífico, afirmou Xi, acrescentando que a China não seguirá o caminho do expansionismo e colonialismo nem causará caos ao mundo.

Xi declarou que as relações entre a China e os Estados Unidos são um dos laços bilaterais mais importantes no mundo.

A história e a realidade desde o estabelecimento das relações diplomáticas bilaterais, há quase 40 anos, demonstram que o desenvolvimento saudável dos laços China-EUA pode beneficiar os povos dos dois países e do mundo, o que também contribui à paz, estabilidade e prosperidade mundiais e regionais, disse Xi.

A China e os Estados Unidos compartilham interesses em amplas áreas e pontos em comum que superam em muito as diferenças, disse Xi.

O Oceano Pacífico tem vastidão suficiente para acomodar a China e os Estados Unidos, assim como outros países, disse o presidente.

A China e os Estados Unidos devem promover o desenvolvimento das relações bilaterais com base no princípio de respeito mútuo e de cooperação de benefício mútuo, disse Xi.

"Quando vemos os interesses comuns entre a China e os Estados Unidos, não fugimos das diferenças."

"Nossa posição é firme e clara no que diz respeito à soberania e integridade territorial da China", disse Xi, que acrescentou que "nenhuma polegada do território deixado pelos ascendentes pode ser perdida, e nós não queremos nada dos outros".

Xi disse que as relações militares, parte importante das relações bilaterais, mantêm um saudável ímpeto de desenvolvimento nos últimos anos.

"Há muito tempo é reconhecido que os verdadeiros especialistas em assuntos militares não desejam empregar meios militares para resolver os problemas."

Xi indicou que os intercâmbios militares e a construção institucional fortalecidos em diversos níveis ajudam a dissipar dúvidas e impedir mal-entendidos, erros de cálculo e acidentes.

Xi espera que os dois exércitos fortaleçam a comunicação, aumentem a confiança mútua, aprofundem a cooperação, administrem e controlem riscos e promovam os laços militares para que sejam um estabilizador das relações bilaterais.

Mattis declarou que os Estados Unidos atribuem grande importância às relações entre os dois países e os dois exércitos e que os laços militares têm um papel vital nas relações bilaterais.

Mattis disse que, guiados pelo consenso alcançado pelos chefes de Estado dos dois países, os Estados Unidos estão dispostos a fortalecer a comunicação estratégica, expandir a cooperação de benefício mútuo, administrar e controlar as diferenças e riscos e evitar conflitos e confrontações, para permitir que as relações militares sejam um fator construtivo na promoção do desenvolvimento das relações bilaterais.

Mattis transmitiu as saudações do presidente americano, Donald Trump, a Xi, que pediu a Mattis que transmita suas saudações a Trump.

Da reunião também participaram diversos funcionários, incluindo o conselheiro de Estado e ministro da Defesa Nacional da China, Wei Fenghe.



quarta-feira, 6 de junho de 2018

Salve BRICS


BRICS devem acelerar esforços coletivos para paz e desenvolvimento do mundo, diz China

2018-06-05 10:05:12portuguese.xinhuanet.com






Pretória, 5 jun (Xinhua) -- O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, pediu na segunda-feira mais esforços coletivos dos cinco países do BRICS -Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul- para promover a paz e a estabilidade do mundo.

Wang fez o pedido na Reunião Formal dos Ministros de Relações Exteriores do BRICS, que foi presidida pela ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Lindiwe Sisulu, e também contou com a participação do chanceler russo Sergei Lavrov, da indiana Sushma Swaraj, e do vice-chanceler brasileiro Marcos Galvão.

O principal tema da agenda da reunião é colocar as bases para a 10ª Cúpula do BRICS que será realizada em julho em Johannesburgo.

Em seus comentários, o chanceler chinês assinalou que neste século o mundo está passando mudanças sem precedentes.

Sob as circunstâncias, os países do BRICS devem demonstrar uma visão estratégica ainda mais ampla, esforços coletivos mais poderosos e uma vontade mais firme para assumir a responsabilidade de gerar mais bem-estar para as pessoas e dar uma maior contribuição para a paz e o desenvolvimento do mundo, disse.

Wang disse que o bloco do BRICS deve servir como motor poderoso do crescimento econômico mundial e oferecer uma força impulsionadora duradoura.

Os países do BRICS devem realizar esforços conjuntos para construir uma economia mundial aberta, opor-se ao protecionismo e unilateralismo comerciais e salvaguardar os interesses comuns e o espaço de desenvolvimento, disse.

Eles devem ser um pilar central de uma fortaleza que oferece um poderoso apoio fundamental à paz e estabilidade mundiais, enfatizou.

Em vista da situação atual, os países do BRICS devem aderir especialmente ao multilateralismo e defender os propósitos e princípios da Carta da ONU e manter a justiça internacional, disse.

Wang também pediu que os países do BRICS expandam os intercâmbios culturais e entre os povos, e promovam ativamente os intercâmbios e a cooperação com os mercados emergentes e países em desenvolvimento alheios ao BRICS, a fim de ampliar o círculo de amigos e fortalecer a influência e atração do BRICS.

Os participantes da reunião elogiaram os destacados avanços obtidos na última década da cooperação do BRICS e a importante contribuição da China para a cooperação do BRICS depois de servir como presidente no ano passado.

Sendo que o panorama internacional passa por mudanças complexas, disseram os participantes, os países do BRICS devem reforçar ainda mais a coordenação e a cooperação, aprofundar a parceria estratégica, aderir ao multilateralismo, opor-se ao unilateralismo e protecionismo e manter as normas fundamentais das relações internacionais.

Também prometeram esforços integrais para apoiar e coordenar-se com a África do Sul nos preparativos para a 10ª Cúpula do BRICS a fim de garantir seu êxito.


sábado, 26 de maio de 2018

China gigante no conhecimento


Xi pede construção de universidades de classe mundial com características chinesas
2018-05-03 13:07:47portuguese.xinhuanet.com 







(Xinhua/Li Tao)
Beijing, 3 mai (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, exigiu nesta quarta-feira a construção de universidades de classe mundial com características chinesas, de modo a formar pessoas bem preparadas para se unirem à causa socialista.

Xi, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, deu a declaração durante uma inspeção na Universidade de Pequim (PKU, em inglês), antes do Dia da Juventude da China e do 120º aniversário da instituição, ambos caindo em 4 de maio.

Em nome do Comitê Central do PCC, ele estendeu saudações festivas a funcionários e estudantes da PKU, ex-alunos no país e no exterior, bem como jovens de todos os grupos étnicos e trabalhadores jovens na China.

Depois de ouvir o resumo sobre o desenvolvimento mais recente da universidade, Xi, acompanhado por Wang Huning, membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC e membro do Secretariado do Comitê Central do PCC, reconheceu que a PKU melhorou notavelmente sua capacidade e influência acadêmica no âmbito de um claro plano de desenvolvimento desde o 18º Congresso Nacional do PCC.

Apontando que o desenvolvimento das universidades e da nação se complementam, Xi enfatizou que mais esforços devem ser feitos para criar universidades de classe mundial, mas antes de tudo, com características chinesas.

Ao se informar sobre as últimas realizações de pesquisa da PKU em ciência e engenharia, Xi observou que a inovação é o motor de desenvolvimento mais poderoso e o elemento mais essencial da força nacional e competitividade central de um país.

Ele disse que as universidades e suas faculdades acadêmicas, como parte importante do sistema e força-tarefa de inovação do país, devem aumentar a integração entre diferentes disciplinas, oferecer mais apoio para pesquisas interdisciplinares e cientistas em áreas de ponta e cultivar mais cientistas proeminentes e equipes de pesquisa de classe mundial.

A PKU é o berço onde o marxismo começou a se espalhar na China. Ela fundou a primeira escola de marxismo no país nos últimos anos e também, em janeiro, estabeleceu o instituto de pesquisa do Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas na Nova Época.

Na escola de marxismo, Xi assistiu a uma exposição e conheceu sobre a pesquisa e o ensino do marxismo e do pensamento sobre o socialismo com características chinesas na nova época.

Xi disse que a escola de marxismo de uma universidade deve seguir uma orientação política bem definida e princípios de ensino -- resumidos como "tomar o marxismo como seu sobrenome e falar sobre o marxismo".

Ele disse que o marxismo deve ser consolidado como ideologia orientadora e promovido nos campi, salas de aula e entre estudantes.

Mais tarde, ele participou de uma discussão com um grupo de estudantes chineses e estrangeiros sobre tópicos relacionados à interpretação da "nova época".

Os estudantes perguntaram: "Você é um marxista firme. Existem alguns bons métodos que usa para estudar o marxismo?"

Xi compartilhou sua experiência. Também disse aos estudantes estrangeiros que, para entender a China, tem de entender a história, cultura, pensamento e etapas de desenvolvimento do país. Em particular, tem de entender o marxismo na China contemporânea. A PKU foi a primeira na China a disseminar o marxismo e o pesquisar, desempenhando um papel chave na propagação do conceito no país e na fundação do PCC, acrescentou.

Ele lembrou que o ano 2018 marca o 200º aniversário do nascimento de Karl Marx e o 170º aniversário da publicação do Manifesto Comunista.

"Nossa melhor comemoração é fazer um bom trabalho no estudo, promoção e implementação do espírito do 19º Congresso Nacional do PCC e do pensamento sobre o socialismo com características chinesas na nova época, que incorpora o marxismo na China contemporânea", destacou o presidente.
Xi incentivou sérios estudos sobre o socialismo com características chinesas em conexão com mudanças do Partido, do país e do mundo, para produzir resultados de pesquisa mais influentes e convincentes.
No fim de sua visita, ele definiu o trabalho em áreas fundamentais como prioridade para construir universidades de classe mundial com características chinesas.

A direção política correta deve ser defendida, disse Xi, pedindo esforços persistentes para criar e promover valores socialistas essenciais e encorajar os funcionários e estudantes universitários a terem fé, impulsionarem ativamente e praticarem esses valores.

De acordo com Xi, a confiança no caminho, teoria, sistema e cultura do socialismo com características chinesas deve nos ajudar a construir a confiança no desenvolvimento de universidades de classe mundial com características chinesas.

Ele também destacou esforços para formar professores competentes e estabelecer um sistema para cultivar talentos.

A liderança do Partido deve ser mantida. Um número de profissionais de ponta mundiais em ciência e tecnologia, cientistas e engenheiros jovens e equipes de inovação devem ser treinados. Grandes progressos em pesquisa básica pioneira e inovações originais são objetivos, apontou ele.

Xi incentivou os jovens a serem leais ao país e ao povo, aprenderem a história da nação, herdarem a cultura chinesa, terem orgulho nacional e confiança cultural, e vincularem intimamente seus ideais ao futuro da pátria.

domingo, 13 de maio de 2018

Belos passos da China gigante


Chefe do Legislativo chinês reúne-se com presidente interino da Comissão da UA e pede maior cooperação China-África
2018-05-13 16:47:47portuguese.xinhuanet.com





Adis Abeba, 12 mai (Xinhua) -- O chefe do Legislativo chinês, Li Zhanshu, pediu por uma cooperação estreita entre a China e a África, durante sua reunião com Thomas Kwesi Quartey, presidente interino da Comissão da União Africana (UA), na sede da UA em Adis Abeba, Etiópia.

Durante sua reunião na sexta-feira, Li, presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular Nacional da China (APN), comentou que a China e a África são uma comunidade de destino comum pois compartilham uma amizade com raízes profundas e o mesmo propósito de desenvolvimento e prosperidade.

Li disse que guiados pela política chinesa para a África de sinceridade, resultados reais, afinidade e boa fé, assim como o ponto de vista correto de retidão e benefício, proposta pelo presidente chinês Xi Jinping, os dez principais planos de cooperação entre as duas partes avançaram bem e diversos importantes projetos de cooperação foram realizados, gerando benefícios substanciais para os países africanos e para o povo africano.

Li contempla um enorme potencial de cooperação pois a China está se esforçando para obter suas duas "metas centenárias" e a África também está impulsionando a realização de sua Agenda 2063.

A China está contente em ver uma África unida, pacífica e próspera e está disposta a impulsionar a cooperação integral e prática com o continente, declarou Li, expressando a esperança de haver mais resultados frutíferos nos marcos da Iniciativa do Cinturão e Rota e do Fórum de Cooperação China-África.

Li também expressou a confiança de que a China e a África trabalharão conjuntamente para tornar a cúpula de Beijing do Fórum de Cooperação China-África em setembro um evento histórico para avançar na cooperação entre a China e a África.

Os líderes da China e dos países africanos farão consultas entre si e prepararão um projeto de cooperação entre a China e a África na nova época em busca de resultados de benefício mútuo e desenvolvimento comum de nível mais alto, disse Li.

Ao elogiar o importante papel da UA na promoção da unidade e integração da África, Li disse que a China dá grande importância às relações com o bloco regional e quer apoiar, dentro da capacidade chinesa, seu esforço para fortalecer os órgãos da UA assim como sua capacidade de manutenção da paz e melhora da vida da população.

Ele acrescentou que a China apoiará o esforço da UA para conduzir a integração da África, desempenhar um maior papel nos assuntos regionais e internacionais e salvaguardar a unidade e os interesses comuns do continente.

Quartey deu as boas-vindas à visita de Li à sede da UA, cujo edifício de escritórios, de acordo com as palavras do presidente interino, representa a cooperação de alto nível entre a África e a China.

Ao agradecer o sólido apoio da China à UA, Quartey disse que o desenvolvimento pacífico da China ofereceu enormes oportunidades, assim como uma nova opção para a África.

Ele assinalou que a Agenda 2063 da África é altamente compatível com a Iniciativa do Cinturão e Rota, pedindo um avanço conjunto. A UA quer participar ativamente da cúpula de Beijing do Fórum de Cooperação China-África e aprofundar sua cooperação integral com a China, expressou.