domingo, 19 de março de 2017

Dois gigantes reunidos



China e Arábia Saudita impulsionam parceria estratégica integral
2017-03-16 19:34:18portuguese.xinhuanet.com 









O presidente chinês Xi Jinping (e frente) realiza uma cerimônia de boas-vindas para o rei saudita Salman bin Abdulaziz Al Saud antes de suas conversas em Beijing, capital da China,  em 16 de março de 2017. (Xinhua/Li Xueren)



Beijing, 17 mar (Xinhua) -- O presidente da China, Xi Jinping, e o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, que está visitando Beijing, concordaram que os dois países fortalecerão sua cooperação em todas as áreas e promoverão sua parceria estratégica integral.

Na reunião de quinta-feira em Beijing, Xi lembrou sua visita à Arábia Saudita no ano passado, durante a qual ele chegou a consenso com o rei Salman para impulsionar as relações bilaterais e consolidar a cooperação em assuntos internacionais e regionais.

O presidente expressou satisfação em ver que o consenso foi implementado por ambos os lados.

A China apoia a Arábia Saudita em seu avanço pelo caminho de desenvolvimento adequado a suas condições nacionais, ao mesmo tempo que mantém a soberania nacional, a segurança e os interesses de desenvolvimento, e desempenha um maior papel nos assuntos regionais e globais, disse Xi.

A China apoia a Arábia Saudita em seu plano "Visão Saudita 2030", e dá as boas-vindas para que o país seja parceiro na Iniciativa do Cinturão e Rota.

A China é um mercado confiável e estável para o petróleo da Arábia Saudita, disse Xi, esperando uma cooperação mais estreita em áreas como energia, comunicação, aviação, finanças e investimento, cultura, educação, saúde pública, tecnologia, turismo, mídia e segurança.

Xi comentou que a China e os países muçulmanos se respeitam mutuamente e são um exemplo de coexistência harmoniosa entre civilizações.

Quanto aos assuntos do Oriente Médio, a China defende o respeito à soberania nacional e a não interferência nos assuntos internos, afirmou Xi.

A China defende a solução de disputas através do diálogo, a redução das tensões em assuntos controvertidos, aproveitar melhor o papel importante da Organização das Nações Unidas e prestar mais atenção à voz de organizações regionais e dos países, acrescentou.

A solução de muitos assuntos no Oriente Médio está no desenvolvimento, assinalou Xi.

Segundo ele, a China deseja impulsionar a Iniciativa do Cinturão e Rota com os países ao longo da rota, incluindo os países do Oriente Médio.

O rei Salman expressou sua adesão à política de Uma Só China, e prometeu consolidar a cooperação com a China nas áreas de comércio, investimento, finanças e energia, com o fim de atualizar sua parceria estratégica integral.

A Arábia Saudita elogia profundamente a posição da China de não interferência em assuntos internos de outros países e de solução das disputas através do diálogo e por meios pacíficos, indicou.

O rei Salman também reconheceu o papel da China na manutenção da paz e segurança internacionais, expressando seu desejo de ver um maior papel da China nos assuntos do Oriente Médio.

Após o encontro, os dois chefes de Estado testemunharam a assinatura de acordos de cooperação em comércio, economia, energia, capacidade, cultura, educação e tecnologia.

Também assistiram à cerimônia de encerramento de uma exibição de patrimônios arqueológicos da Arábia Saudita.

O rei Salman está em uma visita de Estado à China de 15 a 18 de março a convite de Xi. Esta é sua primeira visita à China desde que se tornou rei da Arábia Saudita em 2015.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Aliados gigantes

Chanceleres chinês e russo se reúnem na Alemanha
2017-02-17 12:11:09portuguese.xinhuanet.com








O ministro chinês das Relações Exteriores Wang Yi (2° e) se reúne com seu homólogo russo Sergey Lavrov (2° d) durante a reunião dos ministros do Exterior do Grupo dos Vinte (G20) em Bonn, Alemanha, em 16 de fevereiro de 2017. (Xinhua/Luo Huanhuan)


Bonn, 17 fev (Xinhua) -- O ministro chinês das Relações Exteriores Wang Yi se reuniu com seu homólogo russo nesta quinta-feira, enfatizando a necessidade de ambas as nações continuar a desempenhar o papel de garantir a estabilidade estratégica nos assuntos globais.

Wang se reuniu com Sergey Lavrov no âmbito da reunião dos ministros do Exterior do Grupo dos Vinte (G20) realizada na cidade de Bonn, no oeste da Alemanha.

Sob o contexto de mudanças complexas na situação internacional e regional, China e Rússia, parceiros estratégicos abrangentes de coordenação, devem continuar a apoiar firmemente uma à outra, assinalou Wang.

Ambos os países devem continuar a aprofundar a cooperação abrangente e desempenhar o papel de garantir a estabilidade estratégica nos assuntos globais, adiantou.

Olhando para o futuro, a China está disposta a manter intercâmbios de alto nível com a Rússia, e fortalecer o alinhamento e a cooperação entre a Iniciativa Cinturão e Rota e o projeto da União Econômica Eurasiática, segundo Wang.

A China também está disposta a manter comunicação e coordenação estreitas com a Rússia nos principais assuntos internacionais e regionais, e desenvolver firmemente uma parceria estratégica abrangente de coordenação com a Rússia, para lidar juntas com os diversos desafios mundiais, indicou Wang.

Lavrov enfatizou que a Rússia trabalhará com a China para organizar as principais agendas bilaterais este ano, e promover a comunicação e cooperação estratégica nos assuntos mundiais.

Os dois mais altos diplomatas também trocaram opiniões sobre a cooperação bilateral sob os quadros do G20 e BRICS.

Ambos concordaram em aprofundar a comunicação e a coordenação entre as duas nações sob o quadro do G20.

Eles defenderam um mecanismo aberto e inclusivo sobre a economia mundial e comércio multilateral, concordaram em melhorar a governança mundial e facilitar o sucesso da Cúpula de Hamburgo do G20.

Wang e Lavrov elogiaram os resultados frutíferos durante os últimos dez anos de cooperação entre as nações do BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

As duas nações concordaram em aprofundar a cooperação prática em diversas áreas e permitir que o mecanismo do BRICS desempenhe um papel mais importante no processo em direção a um mundo multipolar.

Wang e Lavrov também disseram querer resultados frutíferos da nona cúpula dos líderes do BRICS, que será realizada na cidade costeira de Xiamen, no sudeste da China, em setembro.

Sobre a situação na Península Coreana, eles concordaram em continuar a fortalecer a cooperação para manter a paz e a estabilidade na região, e fazer novos esforços para reiniciar as conversas.



2017-02-17 12:11:09portuguese.xinhuanet.com
O ministro chinês das Relações Exteriores Wang Yi (d) se reúne com seu homólogo russo Sergey Lavrov durante a reunião dos ministros do Exterior do Grupo dos Vinte (G20) em Bonn, Alemanha, em 16 de fevereiro de 2017. (Xinhua/Luo Huanhuan)


sábado, 10 de dezembro de 2016

China e ideologia



Presidente chinês pede pelo fortalecimento do trabalho ideológico nas faculdades
2016-12-09 10:26:19portuguese.xinhuanet.com 





 O presidente chinês, Xi Jinping, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, discursa em uma reunião de dois dias sobre os trabalhos ideológicos e políticos nas universidades e faculdades da China, que terminou em 28 de dezembro de 2016, em Beijing, capital da China. (Xinhua/Ju Peng)


Beijing, 9 dez (Xinhua) -- O presidente chinês Xi Jinping disse que o trabalho ideológico nas faculdades deve ser integrado ao processo educacional inteiro, sublinhando a necessidade da firme liderança do Partido no ensino superior.

Xi, que é também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, fez as observações em uma reunião de dois dias sobre os trabalhos ideológicos e políticos nas universidades e faculdades da China, encerrada quinta-feira.

Os membros do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC Liu Yunshan, Wang Qishan e Zhang Gaoli participaram da reunião, junto com outros funcionários de alto escalão e funcionários de faculdades.

O ensino superior é um importante fator no potencial de desenvolvimento do país, por isso é urgente para a China melhorar a qualidade de seu ensino superior, segundo Xi.

Como o ensino superior assume a principal responsabilidade de cultivar os sucessores da causa socialista, deve-se seguir a orientação política correta, opinou Xi, acrescentando que apenas com formação de talentos de primeira classe, as universidades podem se tornar instituições de padrão mundial.

Melhorar a habilidade de cultivar talentos é o trabalho essencial do ensino superior e deve ser o foco, afirmou Xi.

"As instituições de ensino superior da China estão sob a liderança do PCC, e são faculdades socialistas com características chinesas, por isso o ensino superior deve ser guiado pelo marxismo, e as políticas do Partido sobre educação devem ser totalmente executadas", disse Xi.

O trabalho ideológico e político é fundamentalmente trabalho sobre indivíduos, segundo Xi. O trabalho deve se concentrar em alunos, cuidando deles, servindo eles, e ajudando eles a melhorarem em qualidade ideológica, consciência política, características morais e qualidade humanística, permitindo que eles desenvolvam tanto habilidade como integridade, enfatizou Xi.

Xi pediu aos professores universitários que sejam "disseminadores de ideologia e cultura avançadas" e "apoiadores leais à governança pelo Partido", de forma que orientem melhor os alunos no seu crescimento.

A adesão à liderança do Partido é essencial para o desenvolvimento do ensino superior no país, disse Xi, pedindo esforços para garantir a firme liderança do Partido no campo, "tornando as faculdades em fortalezas que seguem a liderança do Partido".
As autoridades do Partido devem aumentar seu contato com os intelectuais das faculdades, ajudá-los e escutar sinceramente suas opiniões.

Xi enfatizou a importância da liderança dos comitês do Partido nas faculdades, os pedindo que fortaleçam a construção das organizações do Partido nas bases e melhorem suas habilidades nos trabalhos ideológico e político.