sábado, 14 de abril de 2018

Um gigante em movimento crescente


Em Hainan, presidente chinês sublinha reforma, abertura e proteção ambiental
2018-04-14 18:40:37portuguese.xinhuanet.com




(Xinhua/Li Xueren)
Haikou, 14 abr (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, sublinhou na província insular de Hainan, no sul da China, o impulso à reforma e abertura "de uma perspectiva superior, com uma visão mais ampla e uma maior força".
Xi, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China e presidente da Comissão Militar Central, fez a declaração durante uma viagem de inspeção a Hainan entre quarta e sexta-feira.
Xi também pediu que a província faça pleno uso de suas vantagens ambientais e de seu status como zona econômica especial e ilha de turismo internacional, a fim de construir uma Hainan "formosa e nova".
Durante a inspeção realizada na quarta-feira à Zona Piloto de Turismo Médico Internacional de Lecheng, em Boao, Hainan, Xi recebeu um relatório sobre os mais recentes êxitos relacionados com o projeto e inspecionou o equipamento médico avançado, incluindo um robô de cápsula endoscópica. O presidente falou com os especialistas e destacou a importância de impulsionar o setor de saúde para servir o povo.
Durante uma visita ao Instituto de Ciência e Engenharia das Águas Profundas da Academia Chinesa de Ciências, Xi recebeu na quinta-feira relatórios sobre a exploração da China no leito marinho na Trincheira das Marianas e examinou a equipe de pesquisa de águas profundas.
Xi disse que é necessário intensificar os esforços para tornar a China em um país marítimo forte e assinalou que a China deve aproveitar o Mar do Sul da China como o melhor local natural para sua pesquisa e suas provas nas águas profundas.
É necessário realizar esforços para desenvolver bases de pesquisa nas águas profundas e impulsionar o desenvolvimento da ciência e tecnologia das águas profundas, disse ele.
Durante uma inspeção em uma base nacional de pesquisa para a produção de sementes, onde milhares de pesquisadores se reúnem todos os anos no inverno e na primavera, Xi enfatizou que alimentar mais de um bilhão de pessoas é o maior desafio da China e que as boas sementes são vitais para aumentar a produção de cereais.
Xi disse que a China deve desenvolver boas espécies de cultivo de que possui os direitos de propriedade intelectual para proteger a segurança alimentar do país.
Xi visitou na sexta-feira o Museu de Hainan e viu uma exposição sobre o avanço de Hainan nas últimas três décadas.
Xi disse que Hainan passou de uma ilha remota e pouco desenvolvida à maior zona econômica especial (ZEE) da China e uma ilha turística bem conhecida a nível internacional. Isso demonstra que a decisão do Comitê Central do PCC de estabelecer a ZEE foi correta. O presidente chinês pediu novos avanços na reforma e abertura.
No museu, Xi inspecionou amostras de uma base de dados de genes de animais e plantas desta ilha tropical, revisou as medidas para proteger as reservas naturais e escutou os relatórios sobre as análises dos dados compilados através do monitoramento da qualidade do ar. Xi disse que as águas claras, as montanhas exuberantes e os céus e mares azuis são as principais vantagens de Hainan e pediu mais avanço na construção de uma civilização ecológica socialista.
Xi visitou mais tarde o centro de dados administrativos e viu a maneira como a informação é utilizada no turismo e alívio de desastres. Ele também destacou a necessidade urgente de que o governo acelere a criação de plataformas big data para melhorar a governança social. O presidente pediu que os funcionários façam melhor uso das vantagens da internet para melhorar a elaboração de políticas, a governança social e os serviços públicos.
Xi também visitou o povoado de Shicha no distrito de Xiuying de Haikou onde inspecionou a implementação da estratégia de revitalização rural. O presidente ficou contente em saber que os agricultores locais têm aumentado suas receitas através dos negócios rurais desenvolvidos através da cooperação de companhias, cooperativas e famílias rurais.
O presidente chinês disse que tanto as cidades como as áreas rurais devem se desenvolver bem para atingir o objetivo de construir uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos. Devem incentivar os agricultores a aproveitar os recursos locais para desenvolver uma agricultura especializada, o turismo rural e as economias rurais para aumentar sua receitas.

domingo, 4 de março de 2018

A China e sua historia

Terceira sessão plenária do 19º Comitê Central do Partido Comunista da China emite comunicado
2018-03-01 02:13:57portuguese.xinhuanet.com


 (Xinhua/Ju Peng)
Beijing, 28 fev (Xinhua) -- O 19º Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) emitiu um comunicado nesta quarta-feira após concluir sua terceira sessão plenária, de três dias.
Xi Jinping, secretário-geral do Comitê Central do PCC, fez um importante discurso na sessão presidida pelo Birô Político do Comitê Central do PCC.
Assistiram à reunião 202 membros e 171 membros suplentes do Comitê Central do PCC, assim como os subsecretários da Comissão Central de Inspeção Disciplinar e altos funcionários de departamentos relevantes.
A sessão plenária ouviu e discutiu um relatório de trabalho apresentado por Xi, quem foi encarregado pelo Birô Político do Comitê Central do PCC.
Adotou uma lista de candidatos propostos para a liderança de Estado, que será recomendada à primeira sessão da 13ª Assembleia Popular Nacional (APN).
Também o fez com uma lista de candidatos propostos para a liderança do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), que será recomendada à primeira sessão do 13º Comitê Nacional da CCPPC.
Recomendará a primeira lista à presidência da primeira sessão da 13ª APN e a segunda à presidência da primeira sessão do 13º Comitê Nacional da CCPPC.
A sessão da APN começará em 5 de março, e a da CCPPC, no dia 3.
A sessão plenária revisou e adotou uma decisão do Comitê Central do PCC sobre aprofundar a reforma das instituições do Partido e do Estado e sobre um plano para a reforma.
Também concordou em apresentar uma parte do plano de reforma para a deliberação na primeira sessão da 13ª APN, de acordo com procedimentos legais.
O comunicado disse que o Birô Político do Comitê Central do PCC implementou bem o espírito do 19º Congresso Nacional do PCC e das duas primeiras sessões plenárias do Comitê Central diante da complicada situação internacional e árduas tarefas nacionais de avançar a reforma e desenvolvimento e manter a estabilidade.
O Birô Político defendeu o Marxismo-Leninismo, o Pensamento de Mao Zedong, a Teoria de Deng Xiaoping, a Teoria da Tríplice Representatividade, o Conceito Científico de Desenvolvimento e o Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas na Nova Época e reforçou a liderança do Partido sobre todo o trabalho, de acordo com o documento.
Igualmente manteve o inerente princípio de buscar progresso e ao mesmo tempo garantir estabilidade, teve a bravura de abrir novos caminhos, trabalhou com diligência e garantiu a implementação coordenada do plano integrado de cinco esferas e da estratégia abrangente de quatro pontos, acrescentou.
Liderando todo o Partido e pessoas de todos os grupos étnicos com fé inabalável e forte motivação, o Birô Político trabalhou duro para aprofundar a reforma em todas as áreas, manter o crescimento econômico estável e saudável, promover a governança com base na lei e o sistema de Estado de direito socialista com características chinesas, evitar e neutralizar grandes riscos, realizar alívio da pobreza direcionado, prevenir e controlar a poluição, exercer governança rigorosa sobre o Partido, melhorar o estilo de trabalho, promover o progresso econômico, político, cultural, social e ecológico e a gestão do Partido, disse o comunicado.
As primeiras sessões da 13ª ANP e do 13º Comitê Nacional da CCPPC são importantes para mobilizar todo o Partido e pessoas de todos os grupos étnicos para garantir uma vitória decisiva na construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos e trabalhar para o grande sucesso do socialismo com características chinesas na nova época, afirmou.
A reforma mais aprofundada das instituições do Partido e do Estado é uma profunda evolução na modernização do sistema e capacidade de governança da China, acrescentou.
As instituições do Partido e do Estado são uma importante parte do sistema socialista com características chinesas e uma garantia significante para a governança do Partido, ressaltou.
Liderada pelo PCC, a China estabeleceu o socialismo como seu sistema básico e gradualmente criou o sistema para a função das instituições do Partido e do Estado com características chinesas após a fundação da República Popular da China, em 1949, afirmou.
Durante o processo de construção do socialismo e reforma e abertura, o Partido ativamente avançou a reforma das instituições do Partido e do Estado e gradualmente otimizou e padronizou suas funções, disse.
Desde o 18º Congresso Nacional do PCC, em 2012, o Comitê Central do PCC com o camarada Xi Jinping no núcleo trabalhou para a grande meta de melhorar e desenvolver o sistema do socialismo com características chinesas e ao mesmo tempo modernizar o sistema e a capacidade de governança da China.
O Comitê Central do PCC com o camarada Xi Jinping no núcleo fortaleceu a liderança do Partido, focou em resolver problemas, destacou campos importantes, aprofundou a reforma das instituições do Partido e do Estado e fez grandes progressos em áreas importantes, o que deu a garantia aos feitos e mudanças históricos na causa do Partido e do país, afirmou.
Diante de novas exigências para várias tarefas na nova época, as atuais função e estrutura das instituições do Partido e do Estado não são completamente adequadas para implementar de maneira coordenada o plano integrado de cinco esferas e estratégia abrangente de quatro pontos, nem para modernizar o sistema e a capacidade de governança na China, disse.
O Partido inteiro deve se unir em pensamento, ser confiante, agarrar as oportunidades e superar obstáculos e desvantagens das instituições do Partido e do Estado durante o processo de aprofundar a reforma em todas as áreas, afirmou.
Também deve acelerar e avançar a modernização do sistema e da capacidade de governança da China e aproveitar ao máximo as vantagens do sistema socialista da China, indicou.
Toda a liderança do Partido deve ser implementada e respeitada, com o princípio voltado para as pessoas, otimizado, coordenado e eficiente, assim como a governança com base na lei deve ser mantida ao se aprofundar a reforma das instituições do Partido e do Estado, de acordo com o comunicado.
O pensamento que será o guia para aprofundar a reforma das instituições do Partido e do Estado é implementar o espírito do 19º Congresso Nacional do PCC e seguir o Marxismo-Leninismo, o Pensamento de Mao Zedong, a Teoria de Deng Xiaoping, a Teoria da Tríplice Representatividade, o Conceito Científico de Desenvolvimento e o Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas na Nova Época.
A reforma também deve se adaptar às necessidades de desenvolvimento do socialismo com características chinesas na nova época, manter o princípio inerente de buscar reforma e ao mesmo tempo manter estabilidade, seguir com a reforma na direção certa, ter uma visão concentrada nas pessoas e aderir à governança com base na lei.
Para realizar a reforma, é essencial ter o fortalecimento da liderança total do Partido como um princípio geral, adotar a modernização do sistema e da capacidade de governança da China como guia e focar os esforços em fortalecer a eficiência e a otimização das instituições do Partido e do Estado.
O comunicado também pediu por esforços para reforçar a configuração institucional, otimizar a disposição das funções e melhorar a eficiência e efetividade para fornecer uma garantia institucional para assegurar uma vitória decisiva em construir uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos, assim como embarcar em uma nova viagem para construir integralmente uma China socialista moderna e realizar o Sonho Chinês de revitalização nacional. (continua)


China pede contenção dos EUA em protecionismo comercial
2018-03-03 18:42:57portuguese.xinhuanet.com



Beijing, 3 mar (Xinhua) -- A China pediu que os Estados Unidos permaneçam contidos na proteção comercial, obedeçam regras comerciais multilaterais e contribuam de maneira positiva para manter a ordem do comércio internacional.
A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, fez as observações em uma entrevista coletiva regular nesta sexta-feira quando foi pedida para comentar a decisão recente do presidente norte-americano Donald Trump de impor tarifas em produtos importados de aço e alumínio.
Trump disse na quinta-feira que os Estados Unidos imporiam uma tarifa de 25% em importações de aço e 10% para alumínio. A declaração imediatamente causou ampla preocupação.
A China já demonstrou sua posição em muitas ocasiões, disse Hua.
"Os Estados Unidos lançaram mais de cem medidas antidumping e de compensação na maioria dos produtos de aço e alumínio importados, fornecendo demasiada proteção para seus produtos domésticos", disse Wang Hejun, chefe do departamento de defesa comercial e investigação do Ministério do Comércio, em uma nota de imprensa. "Se outros países seguirem a prática dos Estados Unidos, haverá um impacto sério na ordem do comércio internacional."
"Todos os países devem trabalhar juntos para achar soluções em vez de unilateralmente aplicar restrições comerciais", disse Hua, citando as palavras de Wang. "A China pede que os Estados Unidos usem ferramentas de proteção comercial com contenção e de acordo com as regras de comércio multilateral para contribuir de forma positiva para a ordem do comércio internacional."

Presidente chinês estende cumprimentos de Ano Novo a partidos não comunistas e personalidades sem filiação partidária
2018-02-07 10:15:43portuguese.xinhuanet.com





(Xinhua/Ding Lin)
Beijing, 7 fev (Xinhua) -- O presidente da China, Xi Jinping, participou na terça-feira de uma reunião em Beijing e estendeu seu cumprimento pelo Ano-Novo Lunar chinês aos líderes dos partidos não comunistas, da Federação Nacional de Indústria e Comércio (ACFIC, na sigla em inglês) e às personalidades sem filiação partidária.
Xi, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, pediu que os partidos e personalidades não comunistas elevem sua identificação política com o PCC e com o socialismo com características chinesas.
Como o socialismo com características chinesas entrou em uma nova época, a cooperação multipartidária deve tomar um novo aspecto, disse Xi, pedindo que os partidos e personalidades não comunistas melhorem seu consenso ideológico com o PCC e atinjam novos lucros no desempenho de seus deveres.
Os altos líderes Yu Zhengsheng, Wang Yang, Wang Huning e Han Zheng participaram da reunião.
No encontro, os líderes dos partidos não comunistas e da ACFIC apresentaram seu trabalho e os planos para seu trabalho futuro.
Ao declarar que o ano 2017 constituiu um marco para o desenvolvimento do Partido e do país, Xi sublinhou os lucros significativos obtidos pelos partidos e personalidades não comunistas na defesa da autoridade e da direção centralizada e unificada do Comitê Central do PCC.
Xi também falou das mais de 150 propostas apresentadas pelos partidos e personalidades não comunistas, que vão desde a promoção da Iniciativa do Cinturão e Rota até o impulso da economia real.
Como o 2018 é o primeiro ano de implementação do espírito do 19º Congresso Nacional do PCC, Xi disse que este ano também é crucial para garantir uma vitória decisiva na construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os sentidos e para implementar o 13º Plano Quinquenal (2016-2020) do país.
A China celebrará o 40º aniversário da reforma e abertura através do aprofundamento da reforma de maneira integral, assinalou Xi.
O presidente disse que o estudo e a implementação do espírito do 19º Congresso Nacional do PCC é a tarefa política primária de todo o PCC e de todo o povo, incluindo os partidos não comunistas, a ACIFIC e os cidadãos sem filiação partidária.
Xi sublinhou que os partidos não comunistas devem concentrar-se nos planos estratégicos do socialismo com características chinesas da nova época e oferecer ideias e sugestões ao Comitê Central do PCC com base em amplas pesquisas.
A supervisão dos partidos não comunistas da campanha de alívio da pobreza também será incentivada, disse.
Xi pediu que os partidos não comunistas melhorem seu trabalho na teoria, organizações e instituições para fortalecer sua capacidade de participação na administração dos assuntos do Estado.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

China e as forças globais



Líderes europeus pedem por Europa mais forte em Davos
2018-01-25 16:07:45portuguese.xinhuanet.com




Davos, Suíça, 24 jan (Xinhua) -- A França e a Alemanha defenderam na quarta-feira, unanimemente, uma posição coletiva sobre a construção de uma Europa mais forte, em meio ao medo de que surjam mais divisões de ideias entre os dois lados do Atlântico, com a primeira participação do presidente dos EUA, Donald Trump, em Davos.

"A França está de volta. A França está de volta ao centro da Europa, porque nunca teremos sucesso na França sem um sucesso da Europa", afirmou o presidente francês, Emannual Macron, em um discurso de destaque durante o Fórum Econômico Mundial deste ano.

"Todas essas iniciativas e reformas têm uma contrapartida natural que é estratégia europeia", afirmou, pedindo mais "ambição" à União Europeia (UE).

"Aqueles que não querem avançar não devem bloquear os mais ambiciosos", acrescentou.

A "UE deve encontrar seu papel em um mundo globalizado e colocar a coesão social acima de uma obsessão frequentemente observada com o crescimento", ressaltou, pedindo uma estratégia de 10 anos da UE que liste objetivos comuns nas áreas de meio ambiente, energia, coesão social e defesa.

A França e a Alemanha tradicionalmente foram consideradas como a força motriz por trás da integração europeia, mas o Brexit e os direitos remotos crescentes no continente lançaram sombras em seus esforços até certo ponto.

Fazendo eco a Macron em seu discurso na quarta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, também falou sobre sua visão para o futuro da Europa, dizendo que a UE "precisa assumir mais responsabilidade, precisamos levar nosso destino em nossas próprias mãos".

"O multilateralismo está sob ameaça e nós realmente aprendemos as lições da história? Nós realmente não aprendemos", disse ela, pedindo uma cooperação mais estreita na UE para resolver problemas na Europa.

Mais especificamente, Merkel pediu mais ações de digitalização em vez de "debater questões filosóficas", dizendo que a UE demora muito para decidir como lidar com grandes dados, o que atrasa a Europa.

"Agora temos que reorientar as políticas econômicas, criando um mercado único digital", ressaltou, lembrando que a Europa está sob grande pressão devido à presença de grandes empresas americanas.

Enquanto isso, Merkel também pediu esforços para enfrentar o mercado de capitais fraturado, estabelecendo sindicatos de mercados de capitais, além de completar a união bancária, de modo a enfrentar a crise em um estágio inicial.

Após uma série de eventos inesperados no cenário global, incluindo o Brexit e a eleição de Trump como presidente dos EUA, a atenção do mundo está focada na França e na Alemanha, imaginando como responderão ao aumento do populismo, proteção e sentimentos contra a globalização na Europa.

Apesar das declarações de boas intenções entre Paris e Berlim, alguns meios de comunicação alertaram que Macron e Merkel poderiam ter imaginado diferentes estruturas na UE, o que poderia colocar os dois países em desacordo.

Der Spiegel, uma revista de notícias semanais alemã, disse anteriormente que Macron há muito queria uma união que ofereça maiores poderes a Bruxelas, em vez de ver Berlim "dirigir a roda".

A nova estrela da política europeia sugeriu anteriormente o estabelecimento de um cargo ministerial das finanças europeias e um orçamento para a zona do euro, algo amplamente visto como uma tentativa de transferir mais legitimidade dos governos nacionais para a UE, o que pode levantar preocupações em Berlim.

Governo de Ruanda nega acordo secreto com Israel sobre acolhimento de migrantes africanos
2018-01-25 10:27:28portuguese.xinhuanet.com 


Um policial israelense (1°e) fala com um candidato a asilo em rua de Tel Aviv, Israel, em 23 de janeiro de 2018. No início deste mês, as autoridades israelenses deram aos candidatos africanos a asilo, que fugiram da guerra e perseguição, um ultimato de 90 dias para "deixar o país ou ir para outro país", ou enfrentar a prisão, sem indicar quais seriam os outros países. (Xinhua/Gil Cohen Magen)

Kigali, 22 jan (Xinhua) -- O governo ruandês disse, na segunda-feira, que nunca assinou nenhum acordo secreto com Israel sobre a deslocamento de migrantes africanos.

No início deste mês, as autoridades israelenses deram aos candidatos africanos a asilo, que fugiram da guerra e perseguição, um ultimato de 90 dias para "deixar o país ou ir para outro país", ou enfrentar a prisão, sem indicar quais seriam os outros países. 

A Autoridade de Imigração e População de Israel disse que, aqueles que deixarem o país antes de abril, receberão 3.500 dólares americanos, passagens aéreas e outros incentivos para deslocamento.

Segundo os relatórios, os migrantes africanos têm a opção de voltar para os respectivos países, ou serem deportados para Uganda ou Ruanda.

Um deputado do governo ruandês disse, em uma declaração, que os relatórios eram "rumores". O país, que sofreu genocídio em 1994, também reiterou sua "firme determinação de contribuir para a questão das pessoas que se encontram na traiçoeira estrada do exílio".

Ruanda experimentou conflitos étnicos que deixaram muitas pessoas desalojadas e fugindo para países vizinhos. A Aliança Ruandesa para a Unidade Nacional, antecessora do partido governante, Frente Patriótica Ruandesa (FPR), foi formada em 1979 por refugiados ruandeses no exílio. Em 1994, o FPR tomou o poder e encerrou o genocídio ruandês, que tirou mais de um milhão de vidas, principalmente étnicas, de Tutsis.

"Ruanda está pronta para ajudar, da forma que seja possível, a acolher quem chegar às suas fronteiras e necessitar de uma casa, voluntariamente e sem qualquer constrangimento", afirmou o comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores de Ruanda disse, em novembro passado, que suas portas estavam abertas aos migrantes africanos na Líbia, em sequência aos relatórios da mídia, que informavam que os migrantes africanos estavam sendo vendidos como escravos na Líbia.